quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Entrega

Debruço-me no interior da tua boca
contemplando-te a alma incandescente.
Disponho a minha sombra nua
cuidadosamente nas tuas mãos
e encerro nos teus olhos
os meus sonhos acetinados.

O luar pintado a pincel
beija-nos a pele
e os poros
estremecem ao vento!
Lambes a noite doce
e eu enrolo as pernas
à volta
desta dança acendida!

Estala um motim
em forma de concha!
Morremos lentamente,
juntos,
resvalando para a imortalidade...

14 comentários:

Anônimo disse...

Menina! :))
que belo este poema...

Beijos

Laurelin

Anônimo disse...

e viva o paradoxalmente real.

JOICE WORM disse...

Este poema deve descrever um momento único e particularmente íntimo... Guardemos silêncio...
Um beijo para ti Filipa! Está lindo!!

Lord of Erewhon disse...

Cada vez melhor a tua poética.
A imortalidade assalta-nos no amor, porque sabemos que tudo é efémero.

Dark kiss.
P. S. Desce no blog até encontrares o meu poema sobre Barcelona.

Fipa disse...

mt bonitas as palavras que descrevem tal acção =)

Karlinne disse...

Que belo! Obrigada pela visita!

:)

Miguel Noite disse...

Olá Filipa!
Primeiro, obrigado pela tua visita e pelo teu comentário! Dia 14 lá estarei também para confirmar que a maior cantora do mundo existe mesmo! hehe
Parabéns pelo excelente blog! Tive a dar uma vista de olhos e está mesmo muito bonito!
Miguel Noite

ηatalie αfonseca disse...

Simplesmente adorei este teu poema!
É uma entrega que estremece ao vento ;)

filipa e artur disse...

brigada pela visita :)
vamo-nos acompanhando... bjo

Merchi disse...

... obrigado pela visita

Luis Martino disse...

pintamos a cara da cor do suor,
e fechamos a mente a loucura,
deixando o que resta da nossa sanidade,
morrer na prata que brilha entre as estrelas.



obrigado pelo comentario
tenho andado afastado deste mundo com muita pena minha.

Nuno disse...

Resvalando para a imortalidade,é sempre bom saber contemplar a alma incandescente desta escrita ardente
que arrefece na sua sombra nua.


Gato_malvado passou por aqui***











E há de voltar :)))

Parapeito disse...

Só assim vale a pena a Entrega...

Belo e carregado de sensualidade
****

Pedro Farinha disse...

Muito bom, principalmente a primeira estrofe. Acho que consegues evocar perfeitamente as emoções e o ligeiro arrepiar da pele.

Mas como sabes de outras andanças ;-) também tenho de apontar o ponto menos positivo, que neste caso é o primeiro verso da segunda estrofe pois eu não punha o luar aqui. Aliás pode ser mania minha mas o luar irrita-me, então não podemos ter momentos bons debaixo de um céu cinzento ?! :-)