sábado, 24 de novembro de 2007

Livro

A tua pele é como um livro que folheio delicadamente. Macia como um papel acetinado. Os teus lábios são as letras que maculam a brancura das páginas e o teu olhar o poema que me aquece a alma. A tinta negra viaja pelo teu corpo em busca de recantos e histórias por contar. Bebo do teu perfume intenso que arrepia até à lombada. Os teus cabelos são de um lirismo perturbador, cada verso cortando-me em pedaços. O teu beijo, como se desenhasse meticulosamente cada letra, é lento e profundo e ainda nem mo deste. À medida que prossigo descubro os segredos que se revelam ao virar de cada página. Nesta aventura que me concedes, tenho apenas um desejo, que a paginação seja eterna ou terei de voltar ao início e ler tudo mais uma vez.